Perfil


Sou Maria Eduarda, a menina mais amada do mundo, Deus foi muito bom comigo por colocar em meu caminho pais maravilhosos que me amam. Aqui mamãe irá compartinhar com todos minha história e nossas vitórias em relação a cardiopatia que existe em meu coração

Mamãe



Sou esposa, profissional e agora mãe da gatinha mais linda do mundo. Agradeço todos os dias a Deus por ele ter nos confiado esta jóia rara em nossas vidas.

Papai



Sou, homem feliz e realizado

Nossa história



Somos Pais Especiais, Deus confiou a nós a missão de criar uma linda menina de coração especial, nós temos uma filha linda que é cardiopata, o nome dela é Maria Eduarda, mas todos a conhecem por Dudinha, quando Deus me disse que ela viria ao mundo, tive muito medo, principalmente quando ele informou que ela seria uma criança de coração diferente. Em seu coraçaozinho além de muito amor e alegria teria algo diferente que eu não conseguia entender, porém entre muitos pais da terra, Deus havia escolhido a nós para acolhe-la e lhe dar muito carinho, pais especiais!

O nome é complicado, talvez seja algo somente para pessoas preparadas entender, mesmo assim sempre fizemos questão de saber o que tinha de diferente em seu coraçãozinho, em uma das conversas com médicos, ficamos sabendo que ela seria cardiopata, cardio oque? Isto mesmo seu coração não foi totalmente formado, sendo assim ela seria portadora de uma cardiopatia chamada (DVSVD) - Dupla Via de Saída do Ventrículo Direito – CIV (Comunicação Interventricular) e (TGV) Transposição dos Grandes Vasos, nossa... quanta coisa! E agora?

Não posso negar que questionei a Deus, mas sei que Deus nunca nos dá um peso maior que podemos carregar, e desde o primeiro momento de desespero, coloquei minha filha no colo de Jesus e Maria e a partir deste momento não senti medo algum, muito pelo contrário cada dia que passava eu sentia mais força para vencer. Jamais pedi para que Deus tirasse esta prova de nós e sim que nos desse forças para vencé-la, Nós somos mais fortes que os problemas que aparecem, precisamos nos convencer disto!

Minha guerreira, passou por um cateterismo com 3 meses de vida e por uma cirurgia de bandagem pulmonar com 4 meses, outro cateterismo com 1 ano e 5 meses e outra cirurgia bem complexa com 1 ano e 7 meses, superou tudo, lembro que a cada situação desta, falava para ela que a nossa parte estávamos fazendo, que era rezar, e que ela teria que fazer a parte dela que seria vontade de viver, nunca chorei perto dela, ao seu lado tentava ser forte, mesmo a vendo cheia de fios e aparelhos.

Nossa força, somada com a dela e multiplicada pela de Deus fez com que ganhássemos esta batalha, sabemos que a guerra ainda não acabou, mas quem tem Deus tem tudo, estaremos sempre ao lado dela e temos certeza que seremos vitoriosos.
Amigos
Contador

Você já passou aqui: vezes
Total: visitas

Passou
Créditos

patymonteiro20@hotmail.com

Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com
Terça-feira , 23 de Março de 2010

Oi gente, quero pedir desculpas pela minha ausência, mas ultimamente não tenho tempo nenhum de se quer ligar o computador em casa e quando este tempo aparece evito o máximo, pois tudo ainda é difícil e confuso na minha cabeça.

 

Eu sou fraca e até hoje eu não consigo entender o motivo de Deus ter me dado um fardo tão pesado, primeiro veio a morte do meu irmão, depois uma doença no meu pai que o fez fazer um transplante cardíaco, depois o primeiro câncer da minha irmã, o segundo câncer, a Duda que nasceu cardiopata, o terceiro câncer da minha irmã junto com a cirurgia da Duda e por fim o quarto e quinto câncer que levou ela de nós.

 

Quando uma pessoa que você ama fica doente é natural a gente colocar tantas expectativas,  não enxergar o obvio e jamais deixar se abater por nada no mundo, isto lógico que é bom, mas tem um preço alto, quando este alguém parte você perde todas as esperanças e passa a acreditar em nada. Eu tinha tanta confiança que ela iria se recuperar que no dia anterior dela falecer eu briguei com a médica, pois ela queria chamar todos os amigos e familiares para se despedir dela, depois que ela se foi eu vi que a esperança era apenas um conforto para tentar amenizar a perda e vejo que na medicina a esperança não existe para quem tem Câncer...(pelo menos para minha irmã), desculpe o desabafo, e se estou sendo radical, mas somente quem passou por uma situação desta sabe exatamente do que eu estou falando, esta doença corroí, consome, destrói e quando você acha que está perto de acabar ela volta com tudo. Dida 16 fez dois meses que ela se foi, mas a dor continua a mesma, a saudade cada dia maior.

 

Hoje eu tenho medo, medo de tudo que está em minha volta, se um dia eu vou me recuperar eu não sei, mas o meu medo é tão grande que faz eu me tornar uma pessoa extremamente chata, claro que não vivo o luto o tempo todo, até porque eu não posso viver o luto, tenho minha filha, meu sobrinho, meus pais e outros irmãos e isto ajuda a superar esta dor.

 

O que me faz ficar bem é o fato de ver minha filhota crescer e como está sapeca, cada dia mais linda, cada dia mais inteligente. Está na escolinha somente na parte da tarde, mas pinta, sabe as vogais, conta até 10 e cada musiquinha nova que aprende canta para mim. Ainda dorme comigo, comprei uma TV para por no quartinho dela e ver se se anima, mas não deu em nada kkkk, a mamãe e principalmente o papai também não ajuda então quem sabe com 15 anos kkkkk Estou empenhada na festa de três anos dela, nossa! Três anos! Isto também vem ajudando a superar tudo em volta.

 

Beijinho a todos!



:: Postado por Mamãe da Duda ás 11h54 ::
[ ]